Pr. Carlos Novaes: Fé lúcida X Fé cega, fanática e insana - Se Jesus Cristo é a luz, a fé não pode ficar à mercê das trevas da ignorância, da insensatez e da loucura.

Há hoje uma inadiável necessidade de falarmos em fé lúcida porque existe a fé cega, fanática e insana.
Quando líderes religiosos cristãos são capazes de condenar pessoas à morte nas fogueiras porque defendem crenças e opiniões não alinhadas com a teologia oficial, como aconteceu no período medieval, temos aí a fé cega, fanática e insana.
Quando jovens islâmicos ousados amarram explosivos ao redor da cintura e detonam a si mesmos para fazerem seus protestos, levando consigo centenas de inocentes à morte, temos aí a fé cega, fanática e insana.
Quando protestantes fundamentalistas norte-americanos provocam cismas e cisões em nome de uma desnecessária fidelidade ao literalismo bíblico irracional, como a que contrapõe de maneira radical o criacionismo ao evolucionismo, temos aí a fé cega, fanática e insana.
Quando judeus ultra-ortodoxos assassinam governantes pacifistas que tentam achar alguma solução menos radical para o histórico e sangrento conflito com os palestinos, agora numa repetição invertida do embate entre Davi e Golias, temos aí a fé cega, fanática e insana.
Quando pastores evangélicos promovem sessões de feitiçaria e curandeirismo como se fossem sócios de Deus em poder e autoridade, enquanto os congregados os admiram e seguem de maneira completamente irrefletida, temos aí a fé cega, fanática e insana.
Quando visionários apocalípticos reúnem grupos de fiéis atemorizados pelo final do mundo e amedrontados com ameaças de catástrofes naturais inevitáveis, como os pregadores pré-milenistas e dispensacionalistas da atualidade, e quando esses fiéis se deixam seduzir por teorias alarmistas e escatológicas sem quaisquer fundamentos bíblicos, temos aí a fé cega, fanática e insana.
Quando flagelantes açoitam os próprios corpos, romeiros cumprem promessas descabidas e devotos ajoelham-se diante de imagens inertes que não podem vê-los nem ouvi-los, temos aí também a fé cega, fanática e insana.
Por esses e outros motivos, é hora de propagarmos a fé lúcida.
A palavra lucidez tem a ver com luz, iluminação, esclarecimento. Somos chamados a crer, porque sem fé é impossível ter acesso a Deus, conforme lemos em Hebreus 11.6. Mas necessitamos de fé lúcida.
Se Jesus Cristo é a luz, os que o seguem devem possuir uma fé iluminada e esclarecida.
Se Jesus Cristo é a luz, a fé não pode ficar à mercê das trevas da ignorância, da insensatez e da loucura.
Se Jesus Cristo é a luz, crer não quer dizer colocar a capacidade de raciocínio e reflexão de lado.
Se Jesus Cristo é a luz, somos conduzidos para a clareza e a coerência, e não rumo à obscuridade e ao caos.
Se Jesus Cristo é a luz, repetimos com o Senhor as primeiras palavras das Escrituras: “Haja luz”, para que tudo faça sentido em vez de perder-se no turbilhão das deturpações e contradições.
O Evangelho exige fé lúcida. Porque a fé cega, fanática e insana é, na verdade, outro evangelho. Como o que o apóstolo Paulo denunciou na Carta aos Gálatas: o evangelho pervertido dos legalistas e tradicionalistas (1.6-9).
Diferentemente da fé lúcida, que anuncia a graça do Evangelho, a fé cega, fanática e insana só sabe apregoar o evangelho da desgraça.

Fonte: http://carlosnovaes.blogspot.com/2010/02/fe-lucida.html

Comentários

Nenhum comentário foi enviado.

Enviar Comentário

Por favor, entre para enviar comentários.

Avaliações

Avaliações estão disponíveis somente para membros.

Por favor, entre ou registre-se para avaliar.

Nenhuma Avaliação enviada.
Tempo de renderização: 0.03 segundos
11,114,818 visitas únicas

Notice: Undefined variable: js_zt in D:\Domains\vigiai.net\wwwroot\themes\templates\footer.php on line 28